Gabriel Ferrandini

bateria



BIOGRAFIA:

Ele próprio é a imagem da música universal que toca. Nasceu em Monterey, na Califórnia, filho de pai português natural de Moçambique, mas emigrado para o Brasil com apenas 2 anos de idade, e de mãe brasileira com ascendência italiana que foi viver para os Estados Unidos com 16 anos.

Em Portugal, o “cidadão do mundo” Gabriel Ferrandini está desde os 9, tendo sido por cá, ironicamente, que descobriu o jazz e a improvisação. Explica esse facto a riqueza da cena jazzística e improvisada nacional, que tantas repercussões começou já a ter no mundo – como se verifica, de resto, pelo facto de a editora discográfica portuguesa Clean Feed ter sido escolhida em 2008 pelo jornal online All About Jazz como Etiqueta do Ano.

É neste contexto que se vem afirmando o jovem músico, e tanto assim que está a tornar-se muito rapidamente num dos mais importantes bateristas em actividade no mais ocidental dos países europeus.

Com o Motion Trio de Rodrigo Amado, o Red Trio, o grupo electroacústico Flu e em outros contextos, entre os quais colaborações com figuras de renome como Rob Mazurek, Alberto Pinton, Alfred “23” Harth, Raymond Strid e David Stackenas, entre outros, Ferrandini impôs uma perspectiva muito pessoal do trabalho com as baquetas, algures entre os estilos de Paul Lytton e Paal Nilssen-Love. Como já escreveu a revista jazz.pt, “o futuro espera-o”. (Rui Eduardo Paes, jornalista, crítico e ensaísta)


Participações